Tópicos | Mendonça Filho

A retomada dos trabalhos da Delegacia de Crimes contra a Administração e Serviços Públicos (Decasp), extinta por uma Lei sancionada pelo governador Paulo Câmara (PSB), foi considerada uma vitória do interesse público pelo deputado federal Mendonça Filho (DEM). O democrata comemorou a liminar assinada pelo juiz da 5ª Vara da Fazenda Pública, Augusto Napoleão Angelim, nessa sexta-feira (16), que autorizou a delegada Patrícia Domingos voltasse ao cargo para concluir as investigações em andamento, no prazo de 45 dias.

Segundo Mendonça, a medida “certamente contraria muitos interesses”. “A pressa do Governo Paulo Câmara de extinguir a Delegacia de Combate à Corrupção, assim como, para afastar a delegada Patrícia Domingos das investigações é injustificável. Até porque, o Departamento criado pelo Governo contra o crime organizado só funcionará a partir de 2019”, observou Mendonça.

##RECOMENDA##

“A criação do Departamento Combate ao Crime Organizado poderia integrar o combate à  corrupção. Pelo trabalho competente e reconhecido, a delegada Patrícia Domingos deveria continuar no comando do combate à Corrupção. E não ser transferida, às pressas, para a  área de homicídios”, completou o democrata. Patrícia Domingos foi transferida nessa semana para atuar no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

A Decasp, como é conhecida, foi extinta a partir da aprovação, sob protestos de movimentos sociais e delegados, na Assembleia Legislativa de Pernambuco e da sanção da lei que cria o Departamento de Repressão ao Crime Organizado (Draco). Além da especializada em corrupção, a nova legislação prevê também a extinção da Delegacia de Crimes contra a Propriedade Imaterial (Deprim). O serviço feito pelas duas será acumulado pelo Draco.

A postura governista foi altamente criticada por opositores. O senador Armando Monteiro (PTB), por exemplo, considerou “estranha” a extinção da delegacia “depois que algumas investigações e alguns inquéritos estão em curso e alcançaram figuras até ligadas a esse sistema dominante em Pernambuco, ao sistema de poder em Pernambuco". A avaliação do petebista fazia referência, mesmo sem citar nominalmente, ao indiciamento do ex-secretário de Administração da gestão de Paulo Câmara, Milton Coelho (PSB), oriundo de um inquérito apurado pela delegada.

Opositor ferrenho do PT, o deputado federal Mendonça Filho (DEM) festejou a vitória de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República com um discurso inflamado contra a legenda petista. Ex-candidato ao Senado por Pernambuco e ex-ministro da Educação, ele disse que estava “muito feliz” por poder expor algo que estava “engasgado há muito tempo”.

"Naturalmente estou muito feliz de poder celebrar e gritar que o Brasil está, graças a Deus, livre do PT. Livre do PT! Aguentei muito, desde 2006, essa tropa do PT mandando no Brasil. Esse grito estava no peito, engasgado há muito tempo. Estou livre do PT, fora PT, fora PT, fora PT”, gritou, para uma plateia de centenas de eleitores de Bolsonaro, no bairro da Madalena, Zona Oeste do Recife.

##RECOMENDA##

Mendonça afirmou também acreditar na “alternância de poder como um bem para a Democracia e confio que caminhamos para um futuro mais próspero, mais plural, diferente daquele ofertado pelo PT”.

“Após 13 anos no comando do Brasil, o Partido dos Trabalhadores deixou um saldo de má gestão, corrupção institucionalizada, imposição de um pensamento único por meio do aparelhamento nos diversos setores da sociedade. O nosso povo cansou e decidiu, democraticamente, votar pela mudança”, salientou o deputado federal.

O democrata já garantiu que pautará o fim do mandato na Câmara Federal em prol do próximo governo e afirmou que está "disposto a ajudar o Brasil", mas sobre estar cotado para assumir um ministério no novo governo pontuou que não é candidato a nada. Nos bastidores, comenta-se que Mendonça pode ser convidado para reassumir o comando da Educação.

O deputado federal Mendonça Filho (DEM) afirmou, neste domingo (28), que pretende pautar o fim do seu mandato em favor do próximo governo. Mais cedo, o democrata divulgou um vídeo nas redes sociais reafirmando o voto no candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL).

“Vou continuar meu trabalho como deputado federal, até janeiro, ajudando o Brasil e Pernambuco nas agendas e pautas do Congresso Nacional que forem do interesse do povo, principalmente, e do próximo Governo”, publicou, depois de votar. Mendonça vem sendo cotado como ministro em caso de uma eventual vitória de Bolsonaro.

##RECOMENDA##

O democrata também disse que era preciso buscar caminhos que fortalecessem a democracia através de políticas públicas voltadas para a educação. “Temos que buscar caminhos que signifiquem o fortalecimento da democracia e a valorização de áreas essenciais para o povo brasileiro. Precisamos de políticas públicas em diversas áreas, principalmente na área da educação. Temos que avançar na qualidade da educação brasileira para que o país possa ir pra frente”, salientou, o ex-ministro da Educação do governo de Michel Temer (MDB).

Mendonça ainda comentou sobre o clima polarizado entre os eleitores e ponderou acreditar na reversão disso após o pleito. “Creio que o Brasil é maior e passada a eleição temos que nos unir para fazer o país mais forte e melhor. É importante que a gente ressalte o clima de harmonia e respeito mútuo, apesar da campanha ter se polarizado entre dois candidatos com propostas diferentes”, argumentou o deputado.

O deputado federal Mendonça Filho (DEM), desde que declarou abertamente seu voto ao candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL), vem participando dos atos em apoio ao capitão de reserva. Neste sábado (20), o democrata foi um dos que recepcionou o senador Magno Malta (PR), que desembarcou na capital pernambucana, para participar de um ato político.

Em entrevista concedida ao LeiaJá, ao ser questionado se Bolsonaro tem possibilidade de vencer o pleito, Mendoncinha foi mais do que direto. “Ele vai vencer, ele pode não. Ele vai vencer a eleição apesar dos ‘perneios’ e das tentativas de criar factoides e fatos políticos do PT.  É o desespero que bateu no palanque petista, mas vão ser derrotados e Jair Bolsonaro será o presidente da República”, garantiu.

##RECOMENDA##

Mendonça Filho também pontuou que não tinha “absolutamente nada” a dizer sobre a especulação de que poderia ser um dos ministros de Bolsonaro, caso ele vença a eleição. No entanto, em seguida, falou que estava disposto a colaborar. “Como um homem público que abraça a causa pública ao longo da vida como é o meu caso defendendo ideias e tendo posição política sempre clara”.

“Em relação a essa especulação diria que é algo que não está na pauta e que não estará na pauta nos próximos dias”, esclareceu. O candidato derrotado ao Senado Federal ainda falou que sempre se posicionou em um polo distante e diferente do PT. “E vou continuar assim em relação a qualquer aspecto relativo a esse”.

Sobre a visita de Magno ao Recife, ele disse que o senador tem uma história em Pernambuco. “É uma alegria recebê-lo. É meu amigo pessoal, uma pessoa que tem grande admiradores aqui no Estado e a gente vai participar dessas atividades ao longo do dia de hoje que reforçam a posição polícia de apoio à candidatura de Jair Bolsonaro a presidente”.

LeiaJá também

--> Bolsonaro diz que PSL não vai comandar a Câmara

O ex-ministro da Educação no governo de Michel Temer, Mendonça Filho (DEM-PE), tem colaborado com a equipe do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL). O nome de Mendonça estaria, inclusive, sendo cogitado para voltar ao mesmo ministério que deixou em abril para se candidatar a senador por Pernambuco. Além dele, o nome do empresário Eduardo Mufarej, do grupo RenovaBR, também está sendo considerado para o cargo.

Mendonça Filho, que não foi eleito, teve reuniões com o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) em que apresentou o que foi feito na pasta durante a sua gestão e deu sugestões. Apesar de o DEM ter se declarado neutro nas eleições presidenciais, Onyx já foi anunciado como futuro ministro da Casa Civil se Bolsonaro for eleito.

##RECOMENDA##

De acordo com interlocutores, Mendonça teria enfatizado a importância do ensino em tempo integral e a reforma do ensino médio, que Temer aprovou por meio de medida provisória e tem sido a grande bandeira do governo em educação. Em seu programa, Bolsonaro não menciona a reforma.

O candidato já declarou várias vezes que pretende fazer uma "mudança curricular" para tirar questões "ideológicas", como gênero e sexualidade, das escolas. A gestão de Mendonça - continuada pelo atual ministro Rossieli Soares - foi responsável pela finalização da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O documento começou a ser elaborado no governo de Dilma Rousseff e teve várias versões. Na que foi aprovada, em 2017, menções a gênero e sexualidade foram retiradas.

Segundo a reportagem apurou, outro nome cotado para o ministério é o do empresário Eduardo Mufarej, ex-presidente do grupo Somos Educação, e que está a frente da ONG RenovaBR. A entidade tem o objetivo de formar lideranças para a política. Ele seria uma indicação de Paulo Guedes, economista de Bolsonaro. Guedes não gostaria que a pasta fosse ocupada por um militar.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o general Aléssio Ribeiro Souto, que está no grupo de discussões sobre educação do PSL, disse que a bibliografia deveria mudar para que professores exponham a "verdade" sobre o "regime de 1964". O ex-funcionário da Fundação Getulio Vargas Stravos Xanthopoylos também faz parte do grupo e foi cogitado para o cargo. Mas seu nome tem perdido força nos últimos dias. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A disputa pelo Senado em Pernambuco, de acordo com a pesquisa Ibope de Boca de Urna, que apura como os eleitores se posicionaram após a votação aponta o senador Humberto Costa (PT) reeleito com 26%. Ainda segundo os dados, divulgados logo após o encerramento da votação neste domingo (7), Jarbas Vasconcelos (MDB) configura a segundo mais votado. Os dois concorrem pela Frente Popular de Pernambuco, que tem a liderança do governador Paulo Câmara (PSB).

Com o índice, contudo, Jarbas, se contar a margem de erro que é de 3 pontos percentuais, briga pela segunda vaga com o deputado federal Mendonça Filho (DEM), que aparece com 19% - da chapa Pernambuco Vai Mudar, liderada por Armando Monteiro (PTB).

##RECOMENDA##

Em quarto lugar, vem o também aliado de Mendonça, Bruno Araújo (PSDB), com 12%. A pesquisa de boca de urna do Ibope foi feita com 2.600 eleitores. O nível de confiança é de 99%. A apuração no Tribunal Regional Eleitoral iniciou às 17h.

O cenário da disputa pelo Senado em Pernambuco tem os candidatos da Frente Popular de Pernambuco, Humberto Costa (PT) e Jarbas Vasconcelos (MDB), liderando, acima da margem de erro, na pesquisa divulgada pelo Ibope nessa terça-feira (2). De acordo com os dados, Humberto e Jarbas estão empatados com 33% das intenções de votos. A diferença dos dois com o terceiro colocado, Mendonça Filho (DEM), é de 13 pontos percentuais. 

Se comparado ao último levantamento, cresceram dentro da margem de erro que é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Mendonça, que já ocupava o terceiro lugar, também oscilou de 22% para 20%. Em quarto lugar, de acordo com o Ibope, aparece Silvio Costa (Avante) com 11% das intenções de votos, depois dele vem  Bruno Araújo (PSDB) com 9%.

##RECOMENDA##

Candidato pela Rede, Pastor Jairinho está com 5%, enquanto Adriana Rocha (Rede), Eugênia  (PSOL), Hélio Cabral (PSTU) e Albanise Pires (PSOL) surgem empatados com 2% das intenções de votos. A candidata Lídia Brunes (PROS) e Alex Rola (PCO) estão com 1%.

De acordo com a pesquisa, os eleitores que não souberam ou não opinaram somaram 30%, já os brancos e nulos para a primeira vaga ao Senado foram 19% e na segunda vaga 29%. O Ibope foi às ruas de 29 de setembro a 1º de outubro e foram ouvidos 1.512 eleitores. O nível de confiança do levantamento é de 95%.  

Ao mesmo tempo em que foi condenado a ceder inserções ao senador Humberto Costa (PT) para direito de resposta, o candidato a senador Mendonça Filho (DEM) ganhou na Justiça Eleitoral a possibilidade de utilizar 58 comerciais no tempo de televisão dos adversários, Jarbas Vasconcelos (PMDB) e do próprio Humberto, para rebater as informações sobre cortes de recursos para programas como ProUni, Pronatec, Ciências sem Fronteiras e Fies enquanto foi ministro da Educação no governo Temer.

Além disso, Mendonça terá um minuto no último programa eleitoral de Humberto Costa, que será exibido nesta quarta-feira (3).  “Percebi que as afirmações constantes no vídeo combatido ultrapassam a mera crítica política e entram no campo da propaganda eleitoral negativa baseada em falsas notícias fake news", afirma o desembargador do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Stênio José de Sousa Neiva Coelho, na decisão.

##RECOMENDA##

No direito de resposta, Mendonça diz que a sua gestão foi decisiva para o fortalecimento da Educação no Brasil e pontua que foi a própria gestão petista que cortou vagas do Pronatec, ProUni, Fies e Ciências sem Fronteiras. 

“Nós tivemos êxito nestas representações porque ficou clara a intenção dos candidatos Jarbas Vasconcelos, Humberto Costa e Paulo Câmara em tentar, com inverdades, imputar a Mendonça Filho os cortes nos programas da educação, quando na verdade foram provenientes de gestões do PT, e a redução no Minha Casa, Minha Vida, que foi retomado com mais vigor pela administração de Bruno Araújo”, comentou o advogado Eduardo Porto que, ao lado do advogado Paulo Fernandes Pinto, comanda o jurídico dos candidatos ao Senado.

O pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE) concedeu ao senador e candidato à reeleição Humberto Costa (PT) o direito de resposta nas inserções do adversário Mendonça Filho (DEM). O deferimento se deu pelas menções feitas pela campanha do democrata ao envolvimento de Humberto com a Lava Jato. De acordo com a decisão, Mendonça terá que ceder 40 inserções para o petista.

Na corrida pelo Senado, o embate direto entre Mendonça e Humberto tem se atenuado com a proximidade das eleições. O ex-ministro da Educação apontou, no guia eleitoral, o senador como investigado pela Lava Jato e pontuou o fato dele ser sido mencionado, nas planilhas de propina da Odebrecht com o codinome de “drácula” e o pagamento de quase R$ 600 mil em propina. A defesa do senador alega que ele não é denunciado ou condenado em qualquer inquérito decorrente da operação.

##RECOMENDA##

Na decisão, os desembargadores eleitorais proibiram a veiculação das peças "sob toda e qualquer forma, integral ou parcialmente, em guia e inserções, e em toda e qualquer plataforma de divulgação (TV, rádio, Internet), sob pena de multa diária". Humberto e Mendonça brigam diretamente pela segunda vaga de Pernambuco no Senado, já que Jarbas lidera as pesquisas de intenções de votos.

"O Tribunal deu uma demonstração que não quer jogo sujo nestas eleições. Nossa campanha foi absolutamente limpa durante todo o tempo. Não atacamos ninguém. Levamos ao ar nossas propostas, o nosso trabalho, aquilo que fizemos no nosso mandato como senador, sem agredir qualquer dos nossos adversários", afirmou Humberto.

Segundo o senador, a atitude tomada por Mendonça, no fim de semana que antecedeu a última semana de campanha, denota desespero. "Todos em Pernambuco conhecemos Mendonça Filho e sabemos da forma baixa e desleal com que ele sempre age nesse período eleitoral. Em 2010, aliás, ele foi preso pela Justiça Eleitoral por descumprimento de regra. O medo da derrota parece ter lhe subido à cabeça", destacou o senador.

"Poderíamos ter levado à TV desde o  chamado 'escândalo dos frangos', jamais explicado por ele, até a delação da UTC na Lava Jato em que Mendonça foi acusado pela PGR por recebimento de propina, passando pela operação Castelo de Areia, na qual ele também foi investigado. Mas não o fizemos. Nos pautamos por apresentar propostas e a diferença entre os projetos que o nosso lado representa e o que ele e Temer representam", acrescentou Humberto ao comentar a decisão.

A 9 dias da eleição, a disputa pelas duas vagas de Pernambuco no Senado Federal está cada vez mais acirrada. Ao menos é o que aponta o levantamento divulgado pelo Ibope nessa quinta-feira (27). De acordo com os dados, quem aparece liderando é o senador e candidato à reeleição Humberto Costa (PT). O deputado federal Jarbas Vasconcelos (MDB), que vinha à frente das pesquisas, aparece em segundo lugar. Eles têm, respectivamente, 32% e 31% das intenções de votos. Os dois, que concorrem pela Frente Popular de Pernambuco, oscilam dentro da margem de erro e estão tecnicamente empatados. 

Em terceiro lugar, vem Mendonça Filho (DEM) com 22%. Logo depois dele, Silvio Costa (Avante) 12% e Bruno Araújo (PSDB) 9%. Os candidatos da Rede Sustentabilidade surgem em seguida, registrando o Pastor Jairinho 5% e Adriana Rocha 3%. As candidatas Eugênia Lima (PSOL) e Albanise Pires (PSOL) figuram 2% cada, assim como Hélio Cabral (PSTU).  Já Lídia Brunes (Pros) e Alex Rola (PCO) aparecem com 1% cada um.

##RECOMENDA##

Na pesquisa anterior, feita entre os dias 14 e 16 de setembro, os percentuais de intenção de votos dos três mais bem colocados eram os seguintes: Jarbas na liderança com 34%, Humberto com 31% e Mendonça 22%. 

Desta vez, o Ibope foi às ruas entre os dias 24 a 26 de setembro para ouvir 1.512 eleitores. A margem de erro da pesquisa é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos, já o nível de confiança é de 95%. 

Candidato à reeleição, o senador Humberto Costa (PT) não tem poupado o adversário Mendonça Filho (DEM) durante os discursos. A última manifestação do petista foi de comparação da atuação de Mendonça e do candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, à frente do Ministério da Educação. Haddad comandou a pasta durante o governo Lula e Mendonça durante a gestão do presidente Michel Temer (MDB).

Segundo Humberto, o indicado por Lula para a disputa presidencial é responsável por iniciativas como o ProUni, o Fies, o Enem, o Pronatec e o Ciência sem Fronteiras.

##RECOMENDA##

"Haddad foi o melhor ministro da Educação da nossa história. Muitos desses jovens aos quais demos oportunidades de crescer foram os primeiros de suas famílias a terem um diploma universitário. A filha do agricultor virou médica. O filho da empregada doméstica virou advogado”, disse.

Já Mendonça, na ótica de Humberto, foi um ministro “coveiro”.  "Temos aqui um candidato ao Senado que foi ministro da educação de Temer, o pior da nossa história, que é Mendonça Filho, do DEM. Ele é um coveiro. Enterrou o Enem, o Fies, o Pronatec, o ProUni, acabou com o Ciência sem Fronteiras e esfacelou até o Mais Médicos. É a versão mais bem acabada do atraso e dos retrocessos que o Brasil não quer mais viver", disse Humberto, em discurso durante atos da Frente Popular de Pernambuco, na noite dessa quarta-feira (19), na Mata Norte e no Agreste do Estado. 

Para o candidato a senador, a oportunidade de derrotar o que chamou de “retrocesso” protagonizado por Mendonça na educação é nas “urnas em 7 de outubro”. Com Jarbas Vasconcelos (MDB) liderando as pesquisas de intenções de votos para as duas vagas de Pernambuco no Senado, a briga entre Mendonça e Humberto deve se acentuar ainda mais. Dados da pesquisa do Ibope desta quinta (20), apontam Mendonça com 31% das intenções de votos e Humberto 30%.

Prefeito de Paulista, na Região Metropolitana do Recife, Júnior Matuto (PSB) anunciou apoio à candidatura de Mendonça Filho (DEM) ao Senado. O apoio do pessebista ao democrata é simbólico, uma vez que ele integra a legenda que comanda a Frente Popular de Pernambuco que tem como candidatos para senador Humberto Costa (PT) e Jarbas Vasconcelos (MDB). A atuação de Mendonça como ministro da Educação pesou para a escolha de Matuto. 

"O que você fez, abrindo a porta do Ministério para todos os prefeitos, é um gesto que precisa ser recompensado por Pernambuco. Você tem serviço prestado como governador, como deputado, como ministro e terá como Senador", destacou o prefeito, durante um ato em que declarou a aliança eleitoral com o democrata, nessa sexta-feira (14). 

##RECOMENDA##

No ato, o pessebista disse que vai entrar de peito aberto na eleição, pedindo votos para colocar Mendonça no Senado. "Pode colocar na manchete do jornal: Júnior Matuto se apresenta como soldado na sua luta. Vou levar meu exército para todos os cantos de Paulista para que você seja eleito no dia 7". E acrescentou: "Tive amigo que se tornou governador. Tive governador que virou meu amigo. E agora, tenho um amigo que vai se tornar Senador de Pernambuco. Não vamos eleger pessoas que querem fazer da eleição um guarda-chuva para desocupado. Mendonça, vou pra cima deles para eleger você".

De acordo com um levantamento realizado por Mendonça, ele tá conta com o apoio de 70 prefeitos da base do governador Paulo Câmara (PSB), líder da Frente Popular. 

A troca de acusações entre os candidatos a senador Mendonça Filho (DEM) e Humberto Costa (PT), que busca a reeleição, tem sido  ainda mais recorrente desde o início da campanha. Questionado pelo LeiaJá sobre a recente acusação de Humberto de que ele era o “chefe” da chamada “turma de Temer” em Pernambuco, Mendonça foi duro e cobrou explicações de Humberto que, segundo o democrata, integra a  “turma da Lava Jato”. 

“Estou aguardando Humberto dar explicações quanto a turma da Lava Jato já que ele está sendo investigado e caberá ao juiz Sérgio Moro apreciar os autos do seu processo. Quando ele explicar eu falo sobre a turma do Temer”, disparou Mendonça, em tom de ironia. 

##RECOMENDA##

O democrata fazia referência ao inquérito 3985 encaminhado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) às mãos de Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato em Curitiba, que investiga suposto recebimento de R$ 1 milhão em propina da Odebrecht, em 2010. O montante seria referente às obras do Complexo Petroquímico de Suape e teria sido repassado por meio de doação oficial. Humberto já chegou a pedir o arquivamento do processo por, segundo ele, falta de provas.

Nessa semana, ao atribuir a Mendonça a chefia da “turma de Temer” em Pernambuco, Humberto também chegou a culpar o ex-ministro da Educação pelo incêndio do Museu Nacional no Rio de Janeiro, sob a justificativa da falta de repasse de verbas para o local na gestão dele.

Briga jurídica sobre expressão “turma de Temer”

Apesar de ter sido ministro do governo Temer, Mendonça não tem ficado satisfeito com a ligação à imagem do presidente da República feita constantemente pelo palanque da Frente Popular, do qual Humberto faz parte. E ele não é o único. O ex-ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB) também não tem feito referências ao emedebista. Tanto é que a chapa Pernambuco Vai Mudar entrou com um pedido de liminar do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) pedindo para que fosse proibido o uso da expressão “turma de Temer”. Inicialmente a corte negou, depois aceitou e, no fim dessa quarta-feira (5), liberou, mais uma vez, que a expressão seja utilizada pelos adversários. 

Em discurso no Senado, Humberto Costa (PT) acusou o deputado federal Mendonça Filho (DEM) de também ser responsável pela incêndio do Museu Nacional, no último domingo (2).  O petista disse que Mendonça, quando ministro da Educação, cerceou o repasse de verbas para a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) responsável pela manutenção do equipamento público. 

Segundo um levantamento apresentado por Humberto, de janeiro a abril deste ano o Museu recebeu apenas R$ 7,5 mil do MEC. Mendonça respondia pela pasta no período. 

##RECOMENDA##

“Desde o golpe, os repasses ao museu, que tinha 20 milhões de itens, já vinham caindo. E tudo se agravou com a PEC do fim do mundo, que, com o apoio de muitos parlamentares aqui e com o apoio do próprio Mendonça Filho foi aprovada pelo Congresso para congelar os recursos para educação, saúde, cultura, assistência social por 20 anos”, observou, em discurso nessa terça-feira (4). 

“Então, Mendonça, não fuja das suas responsabilidades. Entre todas as misérias que o golpe e o seu chefe, Michel Temer, legaram ao Brasil, juntamente com o seu inestimável trabalho, está esse incêndio que destruiu o Museu Nacional”, completou.

Para Humberto, o incêndio “não foi um acidente isolado”, mas seria um “projeto de governo” que Mendonça Filho “serviu e serve e que está destruindo o Brasil”. Adversários no embate eleitoral pelas vagas de Pernambuco no Senado, Humberto ainda ressaltou, na tribuna da Casa Alta, que Mendonça era “chefe da turma de Temer” no Estado e salientou uma espécie de “ingratidão” do democrata e do deputado Bruno Araújo (PSDB), também candidato ao Senado, que não querem ter a imagem colada a do presidente. 

“Eu fiquei pasmo, porque – veja bem – eles ajudaram o golpe, votaram, fizeram a maior propaganda do voto deles lá no impeachment, naquela noite terrível que vivemos quando Dilma foi afastada na Câmara dos Deputados, foram para o ministério, torraram o dinheiro do ministério para fazer política no Brasil inteiro, e agora, quando chega a campanha, um bando de mal-agradecidos, não têm coragem de dizer que foram ministros de Temer”, disparou, pontuando que tem orgulho de lembrar o fato de ter sido ministro da Saúde no governo Lula.

Em um tom mais duro, Humberto completou: “Não pensem que o povo é besta, não. O povo não é besta, o povo sabe. Sabe que Mendoncinha foi um dos cabeças do golpe, sabe que Mendoncinha foi o pior Ministro da Educação e sabe que Mendoncinha é o chefe da turma de Temer em Pernambuco”. 

No discurso, Humberto ainda disse que espera com a eleição que “figuras como essas” sejam “varridas para o lixo da história do país”.

No vai e vem da briga jurídica que a campanha em Pernambuco está imersa, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE) deferiu o pedido dos candidatos a senador Mendonça Filho (DEM) e Bruno Araújo (PSDB) para que fosse retirado do ar um impulsionamento no Facebook feito pelo senador e postulante a reeleição, Humberto Costa (PT). 

A publicação referida exibe um vídeo do dia da votação da admissibilidade do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), na Câmara dos Deputados. Há trechos em que Bruno e Mendonça votam contra a petista e são apresentados como responsáveis pelo “golpe”, como o PT intitula a destituição do mandato de Dilma.

##RECOMENDA##

A decisão foi tomada nessa terça-feira (4), pelo desembargador Stênio José de Sousa Neiva Coêlho, e deve ser cumprida em um prazo de 24 horas, sob pena de multa diária de R$ 1 mil. 

No processo, os candidatos não questionaram o conteúdo da publicação, mas o impulsionamento de teor negativo, o que é proibido por lei. “Na Internet, o candidato só pode realizar um impulsionamento de propaganda eleitoral em situações de autopromoção de candidaturas, partidos ou coligações. Porém, Humberto Costa impulsionou de forma proibida, promovendo a propaganda negativa, com ataques a candidatos adversários ou a seus posicionamentos”, explicou o advogado Paulo Fernandes Pinto, responsável pelo jurídico dos candidatos Mendonça e Bruno.

O candidato a deputado federal Vinícius Mendonça (DEM), filho do deputado federal Mendonça Filho, inaugurou o comitê de sua campanha na noite desta terça (4), no bairro de Boa Viagem. Por meio de uma transmissão ao vivo, ao LeiaJá, Vinícius disse que pretende ingressar na política para trazer de volta o povo para a discussão sobre a classe.

 Questionado se não teme uma comparação com o pai, ele foi categórico. “De forma alguma, eu tenho muito orgulho de ser filho de Mendonça”, ressaltou. Ele também falou que deseja ser tão “competente” quando Mendoncinha. “Eu espero ser um político tão competentes como ele”, ressaltou.

##RECOMENDA##

Vinícius, apesar de usar o sobrenome na conquista de votos, é pouco visto ao lado do pai nas agendas realizadas da Região Metropolitana do Recife. Ele também tem utilizado a tática de visitar mais o interior. Mendonça Filho compareceu ao comitê, mas falou rapidamente por ter outra agenda para cumprir em seguida.

O Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) notificou o governador e candidato à reeleição Paulo Câmara (PSB) e o candidato a senador Jarbas Vasconcelos (MDB), ambos da Frente Popular de Pernambuco, por propaganda irregular. As advertências foram realizadas após decisão de juízes eleitorais nesse domingo (2). 

Paulo foi chamado a atenção pelo TRE por conta de publicidades institucionais expostas nas redes sociais durante o período eleitoral, o que é proibido, e Jarbas pela utilização de dados de uma pesquisa no guia eleitoral sem informações completas, como a data do levantamento.  

##RECOMENDA##

A denúncia contra o governador foi oriunda do departamento jurídico da campanha de Armando Monteiro (PTB), que apresentou ao TRE prints das páginas de facebook do Governo com material veiculado recentemente. “Além disso, Paulo estava usando imagens oficiais e até logomarca em sua fanpage. Um completo abuso de poder e desrespeito à Lei”, afirmou Walber Agra, coordenador jurídico do petebista. 

A decisão da Justiça Eleitoral, assinada pelo relator Alexandre Freire Pimentel, determinou a retirada, em 24h, de todas as propagandas feitas pelas contas da gestão estadual sob pena de multa de R$ 5 mil, por dia, em caso de descumprimento. A denúncia ocorreu mesmo depois do governo de Câmara anunciar nas redes sociais que não faria mais atualizações por impedimento do período eleitoral. O coordenador jurídico da campanha da Frente Popular de Pernambuco, Carlos Neves, disse que não há ilegalidades e que vai recorrer da decisão nesta segunda-feira (3).

Já quanto a Jarbas, o questionamento também partiu da coligação Pernambuco Vai Mudar, de Armando, e o TRE proibiu a veiculação do guia exibido no último dia 31, sob pena de multa de R$ 5 mil caso descumprimento. Segundo a assessoria de imprensa, as adequações acrescentando as datas das pesquisas na propaganda já estão sendo providenciadas.

Fake news contra Mendonça Filho 

A juíza Karina Albuquerque Aragão de Amorim condenou o candidato a deputado estadual  André Lourenço (PHS) com multa de R$ 5 mil por divulgar nos perfis “Indignados de Pernambuco” (Facebook) e “@revoltadospernambuco” (Instagram) notícias inverídicas do candidato ao Senado, Mendonça Filho, e também do candidato a deputado federal, Vinícius Mendonça.

Nas postagens, nas duas redes sociais, foram feitas montagens com vídeos do Jornal Nacional, que fariam referência a suposto recebimentos de propinas por parte de Mendonça Filho, através de doações da Odebrecht e Queiroz Galvão na campanha de 2014. Além de aplicar a multa, a juíza deu ciência ao Ministério Público Federal para que, caso seja necessário, requisite a abertura de processo investigatório, a fim de responsabilização civil e criminal do candidato.

Candidato a governador de Pernambuco, Armando Monteiro (PTB) afirmou, neste sábado (1º), que o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), foca em fazer "politicalha" e esquece de administrar a cidade. A avaliação foi após uma caminhada de pouco mais de uma hora pela UR-05, no bairro do Ibura, zona sul do Recife. Na ótica do senador, as ruas do local refletem "descaso e abandono". O prefeito da capital pernambcuana é aliado do principal adversário de Armando, o governador Paulo Câmara (PSB).

“De cada um pudemos ouvir alguma crítica e sugestão, tudo isso porque queremos conhecer mais de perto os problemas, mas há algo que no meio disso tudo nos entristece: ver o descaso, a desconsideração, o abandono de certas áreas do Recife que foram condenadas por este prefeito que fica fazendo politicalha, gosta de fazer o jogo duro da política, mas não pega no serviço para fazer as coisas que são do interesse da população”, ressaltou o petebista, em uma espécie de comício pinga-fogo. 

##RECOMENDA##

Na passagem pelas ruas do Ibura, Armando conversou com comerciantes e populares, em sua maioria receptivos, contudo alguns expressavam insatisfação com a classe política e diziam que não pretendiam votar no pleito deste ano. 

Observando que estava na "luta para tirar esse time que está aí”, o senador disse que “o povo está atento a esses que ficam mentindo, falseando, querendo arrumar padrinhos para a eleição e que não estão honrando os mandatos que receberam porque não estão correspondendo a expectativa da população”.

[@#galeria#@]

Promessas

A área onde Armando fez campanha na UR-05 é comercial e, como proposta para o setor, o candidato disse que pretende investir na capacitação do jovem e na desburocratização para o micro empresário. 

“Há algo aqui que sempre nós falamos. A necessidade de pensar no emprego do jovem que depende da capacitação e qualificação profissional que nós conhecemos e fizemos ao longo da vida e cuidar melhor da situação do micro e pequeno empresário que é quem emprega o jovem. Para cuidar de Pernambuco, vamos ajudar os que empregam e vamos investir na juventude”, garantiu o postulante ao comando do Palácio do Campo das Princesas.

Além do candidato a governador, os postulantes ao Senado pela chapa Pernambuco Vai Mudar, Mendonça Filho (DEM) e Bruno Araújo (PSDB), também participaram da caminhada que aconteceu em uma das bases políticas do deputado federal e candidato à reeleição, Daniel Coelho (PPS). 

Entre uma conversa e outra com os moradores da localidade, Bruno ressaltou o fato de a maioria dos estabelecimentos comerciais - gradeados - refletir o medo provocado pela insegurança. 

“A economia precisa crescer e distensionar a sociedade é o caminho mais eficaz. No Senado quero estabelecer uma política nacional de segurança que não mude de governo para governo. Que possamos ter, como na saúde e na educação, a vinculação de recursos públicos para a segurança e, a partir daí, cobrança de gestão”, grifou o tucano. 

O quesito segurança pública também foi observado por Armando. “Toda loja e toda casa está gradeada aqui. É um clima de absoluta insegurança, isso afeta a vida do comércio e o micro e pequeno empresário”, reforçou. Na agenda deste sábado, o senador ainda vai participar de encontros com lideranças no Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife, e Vitória de Santo Antão, na Mata Sul do Estado.

Candidatos ao Senado pela Coligação Pernambuco Vai Mudar, os deputados federais Mendonça Filho (DEM) e Bruno Araújo (PSDB) entraram com uma representação junto ao Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) acusando o senador Humberto Costa (PT) de promover suposta “fake news” contra eles em publicação nas redes sociais. O petista é candidato à reeleição na chapa de Paulo Câmara (PSB).

Na representação, Mendonça e Bruno solicitam ao TRE a “imediata remoção da postagem publicada nas redes Facebook e Instagram” e que seja aplicada uma multa a Humberto.

##RECOMENDA##

A suposta postagem mostra uma peça de propaganda eleitoral com as imagens de Mendonça Filho, Bruno Araújo, e também do candidato governador Armando Monteiro (PTB) e do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), ao lado do presidente Michel Temer (MDB) e os aponta como a “turma de Temer” na disputa eleitoral no Estado. 

A representação aponta o conteúdo como uma "mensagem evidentemente falseada, com o intuito de manipular a verdade dos fatos, utilizando-se de artifícios vedados pela legislação eleitoral". E ressalta que "não houve nenhum pronunciamento oficial do Sr. Michel Temer no sentido de formar uma turma em Pernambuco". 

Além disso, a documentação aponta que o MDB, partido do presidente, integra a Frente Popular de Pernambuco, chapa pela qual Humberto concorrer à reeleição e enfatiza “a atitude do representado ao atribuir filiação de Michel Temer aos candidatos que sequer fazem parte da sua coligação é demasiadamente irrazoável e inverídico”.

Apesar da reação negativa diante da ligação com Temer, Mendonça Filho foi ministro da Educação no governo do emedebista e Bruno comandou o Ministério das Cidades. Ambos apoiaram o impeachment de Dilma Rousseff, que levou Temer ao Planalto.

A assessoria jurídica de Humberto Costa informou que recebeu a notificação sobre a representação e "apresentará a defesa pautada na linha de que não há qualquer inverdade no que foi publicado".

Candidato a senador pela chapa Pernambuco Vai Mudar, o deputado federal Mendonça Filho (DEM) além de ser um dos quatro políticos milionários que postulam ao cargo, também deve ficar entre os que mais recebeu doações para gastar com a campanha. Isto porque, com 14 dias de atividades, o democrata já contabiliza R$ 1.104.000,00 de recursos segundo uma prestação de contas parcial divulgada no site do Tribunal Superior Eleitoral, o DivulgaCand, que detalha as candidaturas e suas movimentações financeiras.

De acordo com os dados, desse montante o total de R$ 1 milhão aparece como doação do Diretório Nacional do Democratas e, segundo a descrição do DivulgaCand, o valor é oriundo do Fundo Especial de Financiamento de Campanha. Ou seja, a maior doação recebida por Mendonça, até o momento, é do fundo público criado no ano passado para custear as despesas dos partidos com as corridas eleitorais. 

##RECOMENDA##

O limite de gastos para o Senado este ano em Pernambuco é de R$ 3,5 milhões e as doações já feitas a Mendonça representam mais de 30% do teto. Já no quesito despesas, o ex-ministro da Educação do governo Temer registrou que já gastou R$ 121.461,00.

Fundo Público - O DEM é o oitavo partido com a maior fatia de distribuição do total de R$ 1,7 bilhão do fundo, sendo contemplado com R$ 89.108.890,77. O LeiaJá entrou em contato com Mendonça Filho para entender os critérios de distribuição do fundo repassado ao DEM e quem se posicionou foi o presidente estadual da legenda, José Fernando Uchoa.

O dirigente que explicou ter sido estabelecido um valor para todos os candidatos, a partir do cargo que concorre. 

“O DEM fez a distribuição a partir de uma resolução que foi votada entre todos os membros da Executiva. Nela foram definidas algumas regras, já que cada partido é responsável pela distribuição do que receberia do fundo. Todos os candidatos a senador vão receber o mesmo valor, governadores outro valor compatível, deputados federais e estaduais também”, observou Uchoa.

O democrata também questionou o fato do valor ter chamado a atenção e afirmou que se na prestação de contas dos demais candidatos a senador por Pernambuco ainda não tem um repasse alto como o de Mendonça é porque “ou não receberam nada ainda ou estão em irregularidade com a Justiça Eleitoral”, uma vez que a lei prevê o prazo de 72 horas para prestação de contas. 

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando